sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

9- Antiga Estação Ferroviária da E.F.Central do Brasil, construída em 1922, hoje museu de artes e ofícios


Esta foto é de autoria de Hélio dos Santos Pessoa Júnior (autor do blog), fotografada em Janeiro de 2008 na praça Rui Barbosa em Belo Horizonte - MG.

A foto mostra em um ângulo especial, a majestosa e imponente Estação Ferroviária construída pela Estrada de Ferro Central do Brasil em 1922, em ocasião da chegada da bitola larga (1,60 m) em Belo Horizonte. Nesta solene ocasião, o Rei Alberto da Bélgica, em visita especial ao Brasil em 1920, viajou num trem de passageiros especial, tracionado pela majestosa locomotiva a vapor Zezé Leoni, do Rio de Janeiro - RJ à Belo Horizonte - MG, em carros extremamente luxuosos e confortáveis. O apelido Zezé Leoni fora dado em homenagem à Miss Brasil de 1920. O Rei Alberto, bastante entusiasmado e encantado com a construção, presenteou a mesma com materiais especiais, as ferragens da portaria principal em estilo neoclássico da plataforma de embarque, bem como madeiras para as janelas! Esta foi a Estrada de Ferro Central do Brasil em Belo Horizonte, nos áureos tempos de sua glória.

8- Antiga Estação Ferroviária da Cidade de Minas, atual Belo Horizonte - MG em 1918 aproximadamente


Esta foto pertence ao acervo histórico de João Emilio Gerodetti e Carlos Cornejo, editada no site: As ferrovias do Brasil nos cartões-postais e álbuns de lembranças - Google Livros.

URL: http://books.google.com.br/books?id=j_T1noNaMC4C&pg=PA35&lpg=PA35&dq=Lembran%C3%A7as+da+esta%C3%A7%C3%A3o+de+Belo+Horizonte&source=bl&ots=Rypq-fPCtw&sig=hyXUzexDNsuEPjq1aVUpbr0dLRY&hl=pt-BR&ei=wl_rS8GMKo2luAfvmeSfCw&sa=X&oi=book_result&ct=result&resnum=1&ved=0CBoQ6AEwAA#v=onepage&q&f=false

Novamente a antiquíssima Estação de Minas em Belo Horizonte - MG, provavelmente, na mesma data da foto anterior. Essas fotos possuem um valor histórico inestimável, muito além do que o nosso pobre vocabulário possa expressar.

7- Diretores da Estrada de Ferro Dom Pedro II (Estrada de Ferro Central do Brasil a partir de 1889)

DIRETORES DA ESTRADA DE FERRO DOM PEDRO II


Christiano Benedicto Ottoni - 1855 a 1865


"Eu não construo Estrada para o Brasil de hoje, mas para o Brasil do futuro. Não podemos dividir os trens. É preciso que os trens que correm na baixada galguem a Serra para correr no planalto, senão, não haverá desenvolvimento econômico possível para as províncias de Minas e de São Paulo."

(CHRISTIANO BENEDICTO OTTONI)




Conselheiro Dr. Bento José Ribeiro Sobragy - 1865 a 1869 - 1ª Administração




Comendador Mariano Procópio Ferreira Lage - 1869 a 1872





Vice-Almirante Barão de Angra - 1872 a 1873





Conselheiro Dr. Bento José Ribeiro Sobragy - 1865 a 1869 - 2ª Administração






Dr. Francisco Pereira Passos - 1876 a 1880 1ª Adm. na E.F.D.P.II.





Dr. Herculano Velloso Ferreira Penna - 1880 a 1884





Dr. Miguel Noel Nacentes Burnier - 1884




Dr. José Ewbanck da Câmara - 1884 a 1889










DIRETORES DA ESTRADA DE FERRO CENTRAL DO BRASIL


Dr. Eugênio Adriano Pereira da Cunha e Mello - 1889 a 1891







Dr. João Chrockatt de Sá Pereira de Castro - 1891





Tenente-Coronel Antônio Geraldo de Sousa Aguiar - 1892 a 1893






Coronel Vespasiano Gonçalves d'Albuquerque e Silva - 1893 a 1894







Marechal Dr. Jeronymo de Moraes Jardim - 1894 a 1896







Dr. André Gustavo Paulo de Frontin 1896 a 1897 - 1ª Administração







Dr. Francisco Pereira Passos - 1897 a 1899 - 2ª Adm. na E.F.Central do Brasil





Dr. Alfredo Eugenio d'Almeida Maia - 1899 a 1900







Dr. Gustavo Adolpho da Silveira - 1900 a 1903








Dr. Gabriel Osório d'Almeida - 1903 a 1906







Dr. Aarão Reis - 1906 a 1907









Dr. André Gustavo Paulo de Frontin 1910 a 1914 - 2ª Administração





Existe uma lista de outros nomes de diretores da E.F.Central do Brasil, cujas fotos, não foram encontradas para a postagem.


21/11/1914 a 07/02/1917 – Miguel Arrojado Lisboa

07/02/1917 a 10/03/1919 – Marciano de Aguiar Moreira

11/03/1919 a 06/08/1919 – José Gonçalves Barbosa

07/08/1919 a 27/11/1922 – Joaquim de Assis Ribeiro

28/11/1922 a 16/05/1923 – Caetano Lopes Jr.

17/05/1923 a 15/11/1926 – João de Carvalho Araújo

16/11/1926 a 24/10/1930 – Romero Fernando Zander

25/10/1930 a 28/10/1930 – Luiz Carlos da Fonseca

29/10/1930 a 01/12/1930 – Caetano Lopes Jr.

09/12/1930 a 23/03/1932 – Arlindo Ribeiro da Luz

24/03/1932 a 13/08/1932 – Luciano Martins Veras

14/08/1932 a 24/10/1932 – Aristóteles de Lima Câmara

25/10/1932 a 01/02/1933 – Vitor Gustavo Mascarenhas Tamm

25/02/1933 a 30/11/1937 – João de Mendonça Lima

01/12/1937 a 17/12/1937 – Alberto Flores

18/12/1937 a 14/04/1941 – Waldemar Coimbra Luz

14/04/1941 a 05/11/1945 – Napoleão de Alencastro Guimarães

06/11/1945 a 04/02/1946 – Ernani Bittencourt Cotrim

05/02/1946 a 29/05/1948 – Renato de Azevedo Feio

10/06/1948 a 04/04/1950 – Durival de Brito e Silva

11/04/1950 a 11/08/1950 – Contram de Souza

16/08/1950 a 30/01/1951 – Jurandir de Castro Pires Ferreira

11/02/1951 a 22/01/1953 – Eurico de Souza Gomes Filho

23/01/1953 a 30/09/1957 – Jair Rego de Oliveira



Período após a criação da RFFSA

17/10/1957 a 18/05/1958 – Luiz Alberto Whately

19/05/1958 a 16/07/1963 – Jorge de Abreu Schilling

17/07/1963 a 28/04/1964 – Antônio Negreiros de Andrade Pinto

29/04/1964 a 17/05/1964 – Dionísio M. Nascimento Jr.

18/05/1964 a 24/05/1966 – Renato de Araújo

17/06/1966 a 05/04/1967 – Antônio Henrique Alves Vilhena

06/04/1967 a 18/06/1967 – Oswaldo Monachesi

19/06/1967 a 15/01/1968 – Pedro Affonso da Rocha Santos


Período da 6ª Divisão-Central

16/01/1968 a 22/07/1972 – Francisco Cruz

27/09/1972 a 07/07/1974 – Geraldo Costa Guimarães

08/07/1974 a 12/08/1975 – Antônio Geraldo Soares Berford




OBS: TODAS AS FOTOS ACIMA POSSUEM DIREITOS AUTORAIS, CUJO AUTOR AINDA NÃO FORA IDENTIFICADO.

AS FOTOS ME FORAM ENVIADAS POR PAULO ROBERTO DE OLIVEIRA CEREZZO, EX-GERENTE DA GENERAL ELETRIC EM CONTAGEM - MG.


6- Estação Ferroviária Dom Pedro II - E.F.Central do Brasil _ Rio de Janeiro - RJ 1895



Clique na imagem para amplia-la.


Esta foto é de autoria e acervo de Marc Ferrez, editada no site: AGÊNCIA FOTOSITE

URL: http://www.fotosite.com.br/novo_futuro/ler_coluna.php?id=375

Magnífica foto da antiga Estação Ferroviária Dom Pedro II, construída em 1856 pela Estrada de Ferro Dom Pedro II (Posteriormente, em 1889, Estrada de Ferro Central do Brasil).

Posteriormente, entre 1936 e 1943, um novo prédio fora construído no lugar da antiga estação (foto acima) e este novo edifício foi sede da E.F.Central do Brasil, de 1943 à 1969, quando, então, se tornou sede administrativa da 6ª Divisão Central da RFFSA (foto abaixo).

Foto de autoria e acervo histórico de João Bosco Setti, editada no site da SOCIEDADE DE PESQUISA PARA MEMÓRIA DO TREM

URL: http://www.trem.org.br


5- Mapa da Linha do Centro da E.F.Central do Brasil em 1969

Clique na imagem para amplia-la.


Foto de acervo histórico pertencente à Revista Ferroviária, editada no Livro: FERROVIA CENTRO ATLÂNTICA: Uma Ferrovia e Suas Raízes, de José Emílio de Castro Horta Buzelin e João Bosco Setti e participação especial de Eduardo José de Jesus Coelho.


BUZELIN, José Emílio de Castro Horta; SETTI, João Bosco; COELHO, Eduardo José de Jesus. FERROVIA CENTRO ATLÂNTICA: Uma Ferrovia e Suas Raízes. SOCIEDADE DE PESQUISA PARA MEMÓRIA DO TREM - 2001 - Pág. 54.

Este é o mapa da famosa Linha do Centro da E.F.Central do Brasil, agora, no entanto, em sua fase como 6ª Divisão Central da RFFSA, mas dá para se ter uma noção da extenção de sua malha férrea.

4- Mapa da Linha do Centro e da Linha Auxiliar da E.F.Central do Brasil em 1928

Mapa da Linha do Centro e da Linha Auxiliar, da EFCB, em 1928, do livro Vias Brasileiras de Comunicação - A Estrada de Ferro Central do Brasil, de Max Vasconcellos. No mapa, a Linha do Centro está no eixo Dom Pedro II-Belém-Barra do Piraí-Juparanã-Paraíba do Sul-Entre Rios-Sobragi, sendo que o restante aparecerá já no Estado de Minas Gerais. Por sua vez, a Linha Auxiliar corre sempre ao seu lado direito,aparecendo no eixo Alfredo Maia-Belém-Governador Portela-Paraíba do Sul-Porto Novo.


Disponível em: http://www.estacoesferroviarias.com.br/efcb_rj_linha_centro/mapa_linhacentro_rj.htm

Acessado em: 31/12/2010

3- Antiga Estação Ferroviária da cidade de Minas, atual Belo Horizonte, construída pela E.F.Central do Brasil em 1898

Esta foto pertence ao acervo histórico de João Emilio Gerodetti e Carlos Cornejo, editada no site: As ferrovias do Brasil nos cartões-postais e álbuns de lembranças - Google Livros.

URL:
http://books.google.com.br/books?id=j_T1noNaMC4C&pg=PA35&lpg=PA35&dq=Lembran%C3%A7as+da+esta%C3%A7%C3%A3o+de+Belo+Horizonte&source=bl&ots=Rypq-fPCtw&sig=hyXUzexDNsuEPjq1aVUpbr0dLRY&hl=pt-BR&ei=wl_rS8GMKo2luAfvmeSfCw&sa=X&oi=book_result&ct=result&resnum=1&ved=0CBoQ6AEwAA#v=onepage&q&f=false


Esta foto me fora enviada pelo amigo Guilherme Camilo e, posteriormente, descobri o site e a URl na qual ela fora editada. A foto, naturalmente antiga, por volta de 1918, mostra a Lendária e Antiquíssima Estação de Minas em Belo Horizonte - MG, fundada em 1898, segundo algumas informações e em 1895, segundo outras. A foto, fora outrora, um antigo Cartão-postal de 1918, felizmente tirada por pessoa de extrema visão histórica, pois depois dessa data (1918), daí há dois anos, a Estação seria demolida, para dar lugar à Estação que hoje abriga o museu de artes e ofícios. Esta foto é a que considero a melhor de todas até o momento, a que mais profundamente impressionará as futuras gerações, mostrando os tempos mais poéticos da nostálgica Belo Horizonte - MG! Como podem ver, Minas Gerais tem profundas tradições, belíssimas histórias ferroviárias, cultura e patrimônio histórico de extremo valor!



Palavras, simples palavras, não serão, jamais, suficientes para descrever a gloriosa Estrada de Ferro Central do Brasil, suas belíssimas tradições e a suntuosidade de seu estilo, nas construções de suas magníficas Estações Ferroviárias. Foram tempos de glória, de grandes aventuras, de sonhos intensos, que se expressam através da antiga e majestosa Estação Ferroviária de Belo Horizonte - MG. Este era o estilo de vida de grandes homens, de grandes personalidades que sonharam com um Brasil atravessado de fora a fora, por trilhos que transportavam o progresso, transportavam pessoas, famílias, transportavam sonhos. Estes foram os áureos tempos românticos, da poesia expressa em cada canto.

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

2- Vídeo: A Gloriosa Central do Brasil nas Minas Gerais

video

Vídeo de autoria de Hélio dos Santos Pessoa Júnior, autor do blog.

O vídeo retrata a época poética da gloriosa E.F.Central do Brasil em Minas Gerais, com fotos históricas, mostrando um antigo trem de passageiros na Estação de Santa Bárbara - MG em 1953, muito provavelmente o Espresso de Santa Bárbara ou o misterioso NF-1 ou NF-2, do qual falarei em postagens posteriores.

1- A Estrada de Ferro Central do Brasil - Histórico



Vários são os elementos formadores da antiga Estrada de Ferro Dom Pedro II - E.F.D.P.II, posteriormente (a partir de 1889) Estrada de Ferro Central do Brasil - E.F.C.B. Sua história tem início efetivamente no ano de 1855, com a fundação da COMPANHIA DE ESTRADA DE FERRO DOM PEDRO II, sob a direção de CHRISTIANO BENEDICTO OTTONI, no Governo Imperial de Dom Pedro II.

A COMPANHIA propunha a fundação de uma Estrada de Ferro que atravessasse os municípios próximoas à Côrte, atual cidade do Rio de Janeiro - RJ e alcanssasse, em seguida, o Vale do Rio Paraíba do Sul e depois, a Província de São Paulo, na localidade anteriormente denominada Porto Cachoeira, atualmente, Cachoeira Paulista. Com o objetivo de se alcansar, também, a Província de Minas Gerais, prosseguiu pelo Vale do Rio das Velhas, em direção ao Rio São Francisco, onde faria entroncamento com o sistema fluvial, ligando o Sul ao Norte do Império.

A construção fora iniciada no dia 11 de julho de 1855 e após três anos, no histórico dia 29 de maio de 1858, era inaugurada, em bitola larga (1,60 m), o trecho até a vila de Queimados, partindo-se da Estação Ferroviária Dom Pedro II, no Rio de Janeiro - RJ. Assim, fora iniciada a famosa Linha do Centro, linha principal da E.F.Central do Brasil.

A extrema necessidade da construção da E.F.Dom Pedro II se fez na medida em que o Brasil necessitava escoar a produção agrícola, especialmente o café, das grandes fazendas cafeicultoras, produtos destinados à exportação e igualmente ao abastecimento interno, contribuindo, dessa forma, com a economia do país e atendendo aos interesses dos grandes fazendeiros cafeicultores na região do Vale do Paraíba e assim, transportar a produção para exportação, através de um transporte rápido e eficiente (RODRIGUES, 2004).


No mesmo ano de 1858, iniciou-se a subida da Serra do Mar. O tráfego até a cidade de Rodeio, atualmente, Paulo de Frontin, foi concluído no dia 12 de julho de 1863, sendo que o Vale do Paraíba é atingido um ano depois, em 1864, com a chegada do primeiro trem de passageiros à Barra do Piraí - RJ, no mesmo ano. De Barra do Piraí - RJ até São Paulo - SP, é construído o ramal de São Paulo em bitola larga.

É de extrema importância destacar, aqui, a célebre frase de Christiano Benedicto Ottoni:

"Eu não construo Estrada para o Brasil de hoje, mas para o Brasil do futuro. Não podemos dividir os trens. É preciso que os trens que correm na baixada galguem a Serra para correr no planalto, senão, não haverá desenvolvimento econômico possível para as províncias de Minas e de São Paulo."


A famosa Linha do Centro seguia, pelo curso do Rio Paraíba, em direção à Entre Rios, atualmente Três Rios - RJ e de lá, com destino ao Sertão das Minas Gerais. No ano de 1865 a ferrovia já possuia 133 quilômetros de extensão, atingindo, desta forma, Desengano, atual Barão de Juparanã, que faz parte do município de Valença.

A partir da cidade de Entre Rios (Três Rios), a construção seguiria em direção do Rio das Velhas pelo Vale do Paraibuna, para alcançar Juiz de Fora - MG, a 275 km da Côrte.
A construção da Linha do Centro prosseguiu em bitola larga, passando por Santos Dummont em 1877 e em Barbacena em 1880 e depois para Queluz de Minas, atual Conselheiro Lafaiete - MG, terminando, alí, a bitola larga, avançando, posteriormente pelo Vale do Rio das Velhas em bitola métrica (1,00 m). A bitola larga foi, posteriormente prolongada até Joaquim Murtinho, onde havia uma bifurcação e de onde parte o ramal do rio Paraopeba em bitola larga, até Belo Horizonte. De Joaquim Murtinho ainda, parte da Linha do Centro se prolongou em bitola larga até Itabirito - MG.

O ramal de Ouro Preto, posteriormente, ramal de Ponte Nova, fora construído a partir da estação de Miguel Burnier, em 1887. Na cidade de Ponte Nova - MG, havia interligação da E.F.Central do Brasil com a E.F.Leopoldina, a partir de 1926. Os trilhos da E.F.Dom Pedro II atingiram General Carneiro, um bairro de Sabará em 1895, agora, no entanto, como Estrada de Ferro Central do Brasil. Dali partiu o ramal da Cidade de Minas, atual Belo Horizonte, então capital de Minas Gerais.

Um fato de extrema importância que, aliás, é parte fundamental da história da E.F.Central do Brasil em Minas Gerais, tema proposto pelo blog; dali parte o famoso ramal de Nova Era, anteriormente, ramal de Santa Bárbara. A cidade de São José da Lagoa, posteriormente Presidente Vargas e atualmente Nova Era, foi atingida pela E.F.Central do Brasil no ano de 1936, fazendo ligação com a E.F.Vitória a Minas.

O antigo ramal de Nova Era fora iniciado por uma antiga ferrovia de capital estrangeiro que no ano de 1898 denominava-se Estrada de Ferro Espirito Santo a Minas - E.F.E.S.M cujo propósito, naturalmente, era atingir o Estado do Espirito Santo, daí o seu nome. Em 1908 esta ferrovia, segundo alguns pesquisadores, de capital inglês, era denominada Estrada de Ferro Sabará a Santa Bárbara, tendo sido encampada pela Central do Brasil no mesmo ano, 1908.

Recorro, aqui, às palavras do amigo Ralph Mennucci:

"O ramal de São José da Lagoa foi construído por uma tal Companhia Estrada de Ferro Espirito Santo a Minas, que em 1908 se chamava "Estrada de Ferro Sabará a Santa Bárbara". A Central não menciona a encampação em seus relatórios, fato ocorrido algum tempo depois, quando o ramal passou a ser chamado de Ramal de Santa Bárbara e depois de Ramal de Nova Era, seu ponto final mas também ponto de ligação com a E. F. Vitória a Minas, a partir de 1936".

Relato disponível em: http://www.estacoesferroviarias.com.br/efcb_mg_ramais/novaera.htm

Segundo Ralph Mennucci, documentos históricos de expressivo valor falam de materiais rodantes, locomotivas a vapor na região de Sabará em 1908, contendo as inscrições E.F.S.S.B em seu tender.
A Estação de Santa Bárbara - MG, fora construída pela Central do Brasil em 1912, segundo alguns pesquisadores.

Retornando ao assunto anterior, em 1896, os trilhos da Central do Brasil atingiram a cidade de Sete Lagoas - MG; em 1905 em Curvelo e em 1906, em Corinto. A partir da cidade de Corinto, foi lançado o ramal de Pirapora, partindo-se de Corinto, passando por Lassance, atravessando o Rio São Francisco pela famosíssima ponte e saindo do outro lado, em Buritizeiro. Ainda de Corinto, a Linha do Centro em bitola métrica prosseguiu até Montes Claros, onde chegou em 1926.
Os trilhos da E.F.Central do Brasil atingem a cidade de Monte Azul em 1948 (segundo outras fontes de pesquisa, em 1947), ponto final da Linha do Centro e ponto de ligação com a Viação Férrea Federal do Leste Brasileiro - VFFLB, através da qual, os passageiros iam até Salvador - BA.

No ano de 1957, a 16 de março, fora fundada sob Lei Federal Nº 3115, a Rede Ferroviária Federal Sociedade Anònima - RFFSA que incorporou a E.F.Central do Brasil e todo o seu patrimônio ferroviário. A partir do ano de 1969, a E.F.Central do Brasil tornou-se a Sexta Divisão Operacional Central da RFFSA, deixando de existir, assim, como ferrovia co-ligada à RFFSA, até ser extinta em 1975.

Referências bibliográficas

BUZELIN, José Emílio de Castro; COELHO, Eduardo José de Jesus; SETTI, João Bosco. MRS LOGÍSTICA S.A: A Ferrovia de Minas, Rio e São Paulo. SOCIEDADE DE PESQUISA PARA MEMÓRIA DO TREM - 2002.

BUZELIN, José Emílio de Castro; COELHO, Eduardo José de Jesus; SETTI, João Bosco. FERROVIA CENTRO ATLÂNTICA: Uma Ferrovia e Suas Raízes. SOCIEDADE DE PESQUISA PARA MEMÓRIA DO TREM - 2001.

RODRIGUES, Helio Suêvo. A FORMAÇÃO DAS ESTRADAS DE FERRO NO RIO DE JANEIRO: O Resgate de sua Memória. SOCIEDADE DE PESQUISA PARA MEMÓRIA DO TREM - pág. 20 - 2004.



quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

*****

Prezados visitantes, sejam bem vindos!

Este blog ainda está em construção, mas dentro em breve, contará com informações, fotos e vídeos a respeito da E.F.Central do Brasil.
Atenciosamente!

Hélio dos Santos Pessoa Júnior (autor do blog).